Review da Caloi Aluminium

Desde março de 2014 tenho pedalado na Caloi Aluminium. Escolhi ela pelo preço e pelas boas indicações que li no post do fórum do site pedal.com.br. A compra foi pelo site do Netshoes e o processo ocorreu sem nenhum transtorno.

O manual da bicicleta é bastante claro quanto a capacidade de carga da bicicleta: 90 km kg. Como eu continuo com um peso aproximado de 120kg, a bicicleta precisou passar por upgrades já na chegada para aguentar o peso extra: aros com parede dupla (Vzan Aero. O original é simples), pedal de alumínio (os originais são de material plástico), cubo e raios reforçados (só na roda traseira). Ainda troquei o selim por um mais confortável. Como o meu objetivo é rodar só  em asfalto, troquei os pneus MTB por um liso (Kenda K-90).

Atualmente a bike está com cerca de 4450 km rodados, e muitas peças ainda são originais: câmbios, cubos e raio da roda da frente, mesa, pedivela, garfo e freios. Os manetes e trocadores foram trocados (para Shimano EF-65) com menos de 3 meses de uso por que os originais são fracos. Aguentam bem um passeio esporádico de fim de semana, mas fazendo de 200 a 400 km no mês, a coisa complica.

Para o próximos meses, o aro traseiro e os câmbios serão substituídos, já que fui desafiado a fazer uma cicloviagem de 400km em setembro. Em vias de conclusão, o suporte para o bagageiro e alforges DIY. Na posição original do bagageiro, as alforges encostam nos pés. Quando as alforges estiverem “homologadas” para uso, conto por aqui.

Texto 16/52 – Minha primeira (e a segunda também) cicloviagem

Estou para escrever esse texto desde março. E é em momentos assim que eu vejo como o #52Textos está atrasado 🙁

Na terça feira de carnaval (04/03/2014), ainda com a Winner Zeta, me aventurei em uma ciclo viagem. Nada grande, mas para quem estava com uns 123 Kg, sem preparo nenhum em pedaladas de mais de uma hora (ou 25km), foi algo assustador.

Saí de casa por volta das 9hs da manhã. Esse foi o primeiro erro. O segundo foi não ter levado filtro solar. Se seguir por essa linha, só listarei os erros. Melhor parar 🙂

Depois dos 45km o rendimento caiu absurdamente. Assim, considerando a demora, a falta de sinal do celular, falta de condicionamento físico, fui resgatado pela Cássia aos 74km de casa. Como estava muito cansado, nem reclamei. Coloquei a bicicleta no carro e fui para o almoço.

Ao todo foram 5 horas. Dessas, fiz 1hr de parada e em 4hs pedalando. Levei 2 garrafas de água, 1 de isotônico e 4 barras de cereal. Fui dosando a quantidade de isotônico a cada parada (1 gole curto no máximo) e meia barra de cereal a cada hora pedalada (mais ou menos).

Como não forcei o ritmo, no outro dia de manhã a sensação era que não tinha pedalado os 74 km. Mesmo não conseguindo chegar em Dom Pedrito, fui uma vitória pra mim.


Não satisfeito por não ter conseguido concluir a viagem de bicicleta, e desafiado convidado pelo cunhado, partimos no ultimo 7 de setembro. Dessa vez saímos às 06:00, mas ainda sim esqueci do filtro solar 😛


Na primeira ciclo viagem não gravei a pedalada pois fiquei com medo de ficar sem bateria. Mas em dupla tive coragem e gravei tudo. Obrigado Strava.

Recebemos lanche das equipes familiares no meio do caminho. O que foi ótimo, pois carboidrato só tinha nas barras de cereal e no isotônico, e chegou uma hora que isso já não estava enchendo a barriga 🙂

Nos últimos 20km o Estevam cansou muito. A bicicleta dele, com dupla suspensão, cansa MUITO MAIS do que a minha (que não tem suspensão nenhuma). Eu sei bem como é, pois passei isso na primeira ciclo viagem.

Depois de 8 horas entre pedal e descanso, chegamos a Dom Pedrito. A ida e volta completa no pedal ficou para outra data. Algumas fotos estão no post. As demais estão aqui (1ª ciclo viagem) e aqui (2ª ciclo viagem).